28 de abril de 2013

Maria, Maria é um dom. Uma certa magia. Uma força que nos alerta.



“pouco vale este romance, porque escrito por uma mulher, e mulher brasileira, de educação acanhada e sem o trato e conversação dos homens ilustrados.” 


Esse trecho foi retirado do prólogo do primeiro romance escrito por uma autora brasileira. Descobri Maria Firmina dos Reis por acaso, enquanto desbrava um lado histórico da cidade a procura dos bustos de autores consagrados da Literatura Maranhense, e quando me dou por corta, deparo com o busto da autora e pequena nota no pedestal, revelando sua importância. Fiquei com o nome dela na cabeça, obrigando-me a não esquecê-la enquanto não fizesse um post aqui no blog sobre quem foi Maria Firmina dos Reis, então vamos conhecer um pouco sobre sua vida, seus valores e suas obras literárias.



Maria Firmina dos Reis nasceu em São Luis do Maranhão no dia 11 de Outubro de 1825, era filha bastarda e mulata, nunca frequentou uma escola, na época permitido somente aos brancos do sexo masculino. Maria Firmina foi criada por uma tia materna no município de Viamão, lá viveu até a morte em Novembro de 1917. Autodidata, passou a lecionar como professora de primeiras letras (hoje alfabetização). Falava  e escrevia em francês fluentemente e colaborou para vários jornais maranhenses. Era solidária a causa abolicionista, seu primeiro romance Úrsula tratava sobre as minorias exploradas por uma sociedade patriarcal e escravocrata. Em seus textos a autora abordava as relações econômicas, sociais e culturais da época. Visionária, discutia sobre os direitos dos negros muito antes de Castro Alves, considerado o Poeta dos Escravos.

As obras de Maria Firmina e sua importante atuação na literatura local permaneceram esquecidos por muitos anos. Porém na década de 1970 seus escritos foram retirados do porão de bibliotecas em razão de uma data comemorativa, o 150° aniversário de nascimento da autora. No entanto, ainda hoje pouco se ouve falar sobre o importante papel de Maria Firmina dos Reis na sociedade maranhense tanto como escritora como por pessoa. Suas causas iam além dos direitos justos, prezava a caridade e humanidade numa época em que poucas mulheres eram alfabetizadas e os negros marinalizados.

Maria se aposentou aos 81 anos,depois de fundar uma escola mista, para meninos e meninas. E faleceu aos 92 como tanto outras Marias, cega, pobre e esquecida.

Deixou para o legado da Literatura Maranhanse e Brasileira 2 romances (Úrsula, 1858 e Gupeva, 1861/62), contos (A Escrava, 1887), poesias, poemas e composições musicais.

Maria Firmina dos Reis é considerada pelos historiadores a primeira romancista mulher e afrodescendente, e a primeira poeta brasileira. No dia 11 de Outubro é comemorado o Dia da Mulher Maranhense em homenagem à escritora.

Até a próxima!



3 Outras confissões...:

Claudia Halley disse...

Nossa laissa, que legal esse achado seu! Nunca tinha ouvido falar dela.... tem gente que merece m,as é tão pouco valorizado ne.... vc chegou a ler algum livro dela??

http://jardimlivros.blogspot.com.br/

Laísa Couto disse...

Oi, Cláudia,

Obrigada pela visita. Apaguei o outro comentário ao seu pedido. Ainda não li nenhum texto da autora, mas descobrir seu grande papel na nossa literatura me faz com certeza ter o interesse em lê-la.

Nequéren Reis disse...

Olá!!!, Deus seja louvado na sua vida, o seu blog e as resenhas são maravilhosos amei sucesso
já estou te seguindo - OBRIGADO PELA VISITA
Curta e participe do meu blog e fan page
Blog: http://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br/

Postar um comentário