30 de julho de 2013

“Um urso, não importa quanto tente, cresce roliço sem exercício”.




A.A.Milne


Aposto que Alan Alexander Milne teve participação na infância da grande maioria que um dia se esbarrar por esse texto na internet. Alan é conhecido A.A.Milne, criador do famoso Ursinho Puff, como conheci quando criança, ou Ursinho Pooh, original na língua inglesa.

O tema do post acabei tirando do baú de lembranças. Já que escrevo literatura infantojuvenil (LAGOENA), nada como remexer os retalhos da infância que ainda permanecem nítidos na mente, não é? E uni-los a minha queda por autores ingleses. É algo inconsciente, quando eu encontrar o motivo principal explicarei o motivo. 

Pegando o viés do assunto, A.A. Milne foi um escritor inglês, natural de Londres. Viveu até 74 anos (1882-1956). Foi poeta e grande dramaturgo, escreveu romances para adultos e poemas, porém até hoje é lembrado pelas aventuras do Ursinho Pooh e sua turma.

O autor tornou o brinquedo (um urso de pelúcia) do seu filho Christopher Robin Milne um personagem fictício. Outros brinquedos também inspiraram A.A.Milne na construção de outros personagens que interagem com Pooh: Leitão, Bisonho, Tigrão e Guru, os demais personagens foram inseridos pela Disney.

Christopher e Pooh.

Pooh e outros brinquedos que viraram personagens.


A primeira publicação sobre as aventuras de Pooh aconteceu em 25 de dezembro de 1925, numa história natalina. Em 1961 os direitos comerciais foram vendidos para a Companhia Walt Disney, antes adquiridos pelo ilustrador Stephen Slesinger.

Originais de Slesinger




As características mais discutidas por trás desses personagens são as que moldam suas personalidades. Estudos analisaram sérios distúrbios ligados a problemas psicossociais e neurológicos. Pooh sofre de Boderline, Transtorno de Personalidade Limítrofe (TPL),  uma patologia que permanece entre os limites da neurose  e psicose. Também podemos encontrar no ursinho distúrbios alimentares. No Tigrão pode ser reconhecido a Hiperatividade Severa. Bizonho é depressivo. Leitão sofre com a Ansiedade. O Corujão sofre de TOC, Transtorno Obsessivo Compulsivo. O Coelho tem Transtorno de Personalidade Narcisista. Christopher Robin tem Transtorno de Identidade de Gênero outras pesquisas também apontam esquizofrenia. O estudo foi realizado por especialistas do Canadian Medical Association Journal e o artigo pode ser encontrado aqui.

Espero que tenham gostado do post.

Até a próxima!

Fontes:http://pt.wikipedia.org/wiki/Ursinho_Puff
http://www.scholastic.com/teachers/contributor/milne


3 Outras confissões...:

Jefferson Luiz Maleski disse...

sou dos q acreditam q a psicologia sempre vai achar neuroses em qq lugar, afinal normal p eles é quem n é normal. e os personagens infantis n escapariam tão fácil dessa né. eu até acho q personagens imperfeitos dão 1 charme na história. criam identificação com leitores q tb n são perfeitos.

e lendo o título do seu post só posso concluir q eu sou 1 urso. rá.

Yane Faria disse...

Interessante essa postagem, nunca havia me interessado em saber a origem do urso e saber que foi inspirado em coisas da vida real surpreende. É legal ver as coisas pelo lado da psicologia, ela sempre nos faz acreditar que todos somos loucos ou temos algum distúrbio, rs. Concordo com as patologias dos personagens, menos a do garoto, ainda é muito cedo para diagnosticá-lo com esquizofrenia, é natural crianças criarem amigos imaginários ou isolarem em um mundo só seu, já a esquizofrenia requer muitos outros sintomas.

Laísa Couto disse...

Jefferson,tbm acho que personagens "imperfeitos" tendem a serem mais humanos e por conta disso ganham mais simpatia do leitor.

Yane, pensando bem, seria cedo demais para um diagnóstico sobre a esquizofrenia do Christopher, mas foi o que pesquisas apontaram.

Postar um comentário