12 de agosto de 2011

Mestre




Mestre, meu caro Mestre, ensina-me escrever a vida com a pedra branca da Lua,


Leve-me para as florestas cor de fogo, tocada apenas pelo vento...


Mestre, traga-me o papel quanto eu tiver poesia para chorar,


Lava minha alma com o bálsamo perfumado dos sonhos perdidos...


Oh, Mestre, escuta-me nas horas secretas e aveludadas da noite.


Dê-me a estrela mais preciosa da manhã.


Ouça-me, Mestre, lhe imploro, cante comigo esta canção,


Dê-me a mão, sossegue este meu pequenino coração sob teu afago.


Sei, Mestre, não tardarás a voltar nas horas mais altas


E trarás as mais lindas melodias, aquelas que um dia cantamos


Em terras alvas, escondidas entres os mundos,


Aquelas que sabemos ser Secreta.


Mestre, meu caro Mestre, dê-me teu raro sorriso,


Pois assim que eu ver o rastro desse brilho,


Eu saberei que posso finalmente, um dia,


Voltar para um mundo muito além do teu olhar...




Laísa C.








6 Outras confissões...:

Hayley Nya* disse...

Olá! Muito obrigada pelo seu comentário! :D É bom saber isso, embora eu ainda seja uma "novata"! :D Mais uma vez terei de dizer que gosto da sua poesia que não é daquela "usual" que costumam me dar para ler até porque eu gosto muito do mundo que aqui cria! :) Parece um mundo encantado e isso faz-me gostar imenso do que leio no seu blog! :D um beijo!

Vanvan disse...

Oiii, seguindo este blog lindo. Beijão enorme.

Balaio de Livros!

Laísa C. disse...

Olá Vanvan

seja bem vinda ao blog, espero seu retorno!


e Hayley, obrigada mais uma vez pelo comentário e presença, volte sempre!

Christian disse...

Há quanto tempo Laísa. Fui invadido por um "nada" de inspiração, mas retornei com tudo, escrevendo muito. Como digo, bloqueios são para escritores ricos e excêntricos e não posso me dar a este luxo.
Saudades deste espaço, muito interessante a poesia, gosto de poesias e histórias que deixam algo no ar. Quem será este Mestre...

Laísa C. disse...

Oi Cris, quanto tempo mesmo! Que bom que retornou a escrever e veio ao meu blog me trazer essa boa novidade...
Estou sem internet em casa, e para mim é como se faltasse um membro do meu corpo, sinto falta do meu cantinho imaginário...
Ah, e o Mestre, logo vc irá conhece-lo, prometo...

Celly Monteiro disse...

Gosto tanto das tuas palavras. Tua sensibilidade para a escrita. Sempre acabo me identificando com alguns sentimentos. Esse poema então, é perfeito. Lindo.

Postar um comentário