4 de agosto de 2011

Sete passos além túmulo



Em brancura mora eterna em sonhos. Branco eram teus lábios em espera tardia. Alva, tua tez imaculada de anjo. Calaste tua voz em suplício de agônia. Roubaram teus sonhos naquela tarde de quase alegria. Morreste serena abraçada com a promessa. Cingidos foram teus eternos dias em cristal no fundo do mar. Sufocaste em teu peito o desejo do irreal. Por eras invernais teu corpo espera o verso do trovador arrancar-te desse torpor. Mas tu, princesa da lua, já atravessaste os sete passos além túmulo, para o mundo onde não se finda a dor.


Fadado serão teus dias na procura melodiosa de teu coração seco, frágil, um diamante despedaçado, lágrimas ao infinito – um grito. De súplica teus passos a guiarão, de ódio teus versos não serão mais que uma maldição. Cantarás em pleno silêncio, envolta no véu do tempo, um lamento em vão.


Hás de selar teus dias em interminável agônia, dama da neve, a espera da lembrança do teu grande amor. Hás de sonhar sob as pálpebras finas e pálidas como as rosas mais frágeis da primavera, hás de morrer por desejar a inocência do fruto maldito. Morrerás eternamente, para sempre, por um único pedido dado, de bom e falso grado.


Fechaste os olhos, branca princesa, para o abraço frio da morte. Inocente se vão tuas eras, escorregando nos rios negros dos mundos além. Ninguém te escutas, ninguém te clamas, ninguém reclama teu pranto seco, ninguém te esperas, ninguém de amas, ninguém te acordas desse pesadelo, ninguém te salvas com apenas um doce beijo.


Laísa C.

7 Outras confissões...:

Celly Monteiro disse...

Uma coisa linda esse poema, quase uma balada mistica que nos leva sob passos delicados ao interior de uma fascinante heroína, real? Não sei, só sei que tbm me vi refletida em cada nota. há muitas Brancas de neve por esse mundo, vitimas de um singelos desejos despertados pela face rubra de uma doce fruta. Mas suas palavras construíram uma segunda obra prima, um escorrer de sentimentos que nos deixa encantada, angustiada, embevecida. Parabéns!

Laísa C. disse...

Celly,

fiquei encantada com teu comentário, uma bela reflexão sobra a prosa. Sim, acho que há sempre dentro de nós princesas sonhadoras brancas como a neve...
Obrigada, espero teu retorno..

Hayley Nya* disse...

Olá! Fiquei encantada assim que li as primeiras linhas do seu escrito! Faz-me quase teletransportar para o cenário que descreveu! É muito bom ver pessoas como você que têm uma escrita sublime e muito bem elaborada! Adorei, sem qualquer dúvida! Também gostei muito dos seus desenhos :) Acho que se fizesse um texto e ilustrasse com os seus desenhos, sairia algo divinal! Os meus parabéns! um beijo (Obrigada pelo seu comentário! É verdade, mas esforçar-me-ei por estar mais presente! :))

Laísa C. disse...

Oi Hayley,

poxa, nem sem como agradecer suas palavras, meus textos são modestos assim como meus desenhos caseiros..

Sim,espero vê-la mais presente no blog, espero pela continuação de "COMO DESEPARECER COMPLETAMENTE".

Obrigada!

Yane Faria disse...

Nossa que lindo, me fez voltar a gostar de contos de fadas. Cada palavra é um poema particular, me fez sonhar como notas de uma canção.

Nyna Zimmer disse...

Que lindo Laísa!
É um escrito muito original e até bem dierente dos que já li seus.
Parabéns!

Laísa C. disse...

Oi Nyna e Yane,

fico feliz com a presença de vcs aqui e por tem comentado a poesia..
Yane em especial, por ter voltado num breve instante a gostar de sonhar...

Postar um comentário