3 de novembro de 2011

Coisas que nunca escrevi

O lápis rabisca o papel buscando a melodia etérea do vento, meus dedos finos dedilham as cordas do tempo que cai do telhando em faíscas estelares.

A chuva lá fora transborda em cristais despedaçados – sinos avisando a vinda dos sonhos distantes.

Há muito que fazer nessa estrada prateada, riscada de coisas não escritas, nãos sabidas, não ditas.

Apenas teimo em suavizar as bordas dos mundos, alisando o papel com palavras diáfanas, sussurrando melodias nunca pensadas.

Ah, o que não se pode dizer....marcar-se em pedra com o hálito e joga-se no perdido rio das nebulosas...

Busco coisas que não escrevi em palavras escondidas sob as folhas molhadas de suor e lembranças...

Ah! que se pode achar sob a fuligem dourada dos sonhos?

Ando, sempre ando e tocam os sinos aos meus passos, dançam os filhos do vento laçando-me num abraço, plantam em meus olhos diamantes quebrados e arrancam do meu do peito coisas que eu nunca disse, coisas que eu nunca escrevi e nunca saberei...


Laísa C.

3 Outras confissões...:

Pedro_Almada disse...

Você escreve muito!!

Você tem tanta segurança quando escreve, demonstra tanto zelo com as palavras! Tá de parabéns, Laisa!
E fica ainda melhor com essa música de fundo - a música do seu blog.

Fica na PAz!

Christian V. Louis disse...

Sempre haverá um mistério por trás dos escritos. Eu já me vi muitas vezes, admito, pronto a escrever um texto e recuar. Não pelos outros, mas por mim. Há certas coisas inconfessáveis a nós mesmos.

Nyna Zimmer disse...

Parabéns laísa!
fico muito feliz que você continue escrveendo e nos deliciando com suas palavras.

Eu mudei de blog.
Estou numa nova fase e agora direciono meu "dom" para outro sentido.
Se quiser me visitar estou lá no
http://etconscientia.wordpress.com/

um bj!

Postar um comentário